verificador pinterest Casa, Coisas e Sabores: Março 2012

sexta-feira, 30 de março de 2012

Arroz cremoso de micro-ondas



Começo logo com os (fortes) argumentos para te convencer a fazer esse arroz cremoso de micro-ondas: não suja nenhuma panela e fica pronto mais rápido do que macarrão instantâneo. Eu já estaria mais que convencida só com a primeira parte, pois lavar louças não é meu forte, mas além de tudo isso o arroz cremoso fica uma delícia, pode ser feito do seu jeito - a receita que mostro é uma sugestão -, é uma chance boa de aproveitar sobras e salva o cidadão faminto de comer uma coisa qualquer em um almoço solitário. É o almoço/jantar para um mais rápido - e gostoso - do Velho Oeste.

Os ingredientes da receita são apenas uma sugestão, pois o arroz cremoso de micro-ondas pode ser feito com vários outros itens. A ideia é justamente usar o que se tem. Seguindo o modo de preparo, eis uma receita curinga para quando se quer dispensar o miojo e comer algo rapidinho.

Arroz cremoso de micro-ondas
(Porção para um)

1/4 de colher de sopa de cebola picada
2 colheres de sopa de linguiça defumada picada
Azeite
1/3 de xícara de abobrinha picada
5 colheres de sopa de arroz cozido
2 colheres de sopa de queijo ralado (usei o minas padrão)
3 colheres de sopa de leite
1/2 colher de chá de farinha de trigo

Em um refratário de vidro que vá ao micro-ondas - ou mesmo no próprio prato que se vai comer, como fiz -, coloque a cebola, a linguiça e um fio de azeite, e leve ao micro por 30 segundos. Retire, acrescente a abobrinha no refratário, misture com uma colher e volte ao micro por mais 30 segundos. Misture o leite com a farinha de trigo em outro recipiente, mexa com um garfo até dissolver. Acrescente o arroz, o queijo e a mistura de leite ao refratário e leve ao micro por 1 minuto. Após esse tempo, dê uma mexidinha e volte ao micro por 30 segundos. Queijo bem derretido e arroz cremoso, está pronto para servir. No total, o tempo de micro-ondas é de 2 min e 30 s, mais rápido que miojo :)

A potência de cada micro-ondas varia de um aparelho para outro. Os intervalos são bem curtos, nada que dê para queimar a comida, mas de toda forma fique de olho no momento em que o arroz fica por 1 minuto.

----------------------------------------------------------


Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem

quarta-feira, 28 de março de 2012

Colaciones, um biscoito argentino à brasileira


Não satisfeitos em consumir o doce de leite nacional como se fosse manteiga, os argentinos ainda usam esse néctar precioso em várias de suas sobremesas. Em praticamente todas - eu apoio! As colaciones são biscoitos típicos de Córdoba, província vizinha à de Buenos Aires, mas não perdi a chance de abrasileirar a receita com uma dose de cachaça. A casquinha de sequilho das colaciones guarda um naco de doce de leite e - para adoçar a vida - tudo é coberto com glacê de açúcar. É doce, é felicidade em forma de biscoito argentino.

Quando se fala em gastronomia argentina é quase certo vir à mente um pedaço de carne alto e suculento, tal qual o idolatrado bife de chorizo. Preciso fazer uma confissão agora: sou mesmo apaixonada é pelos doces argentinos. Formiga que já visitou o país hermano sabe a tortura em forma de medialunas, alfajores e pães doces nas cafeterias, confeitarias, padarias e outras "rias". Quase sempre tudo besuntado de doce de leite, coisa que os argentinos sabem produzir. Ah, se sabem.

Colaciones (biscoito argentino)
(Rende cerca de 12 biscoitos)


1/2 xícara de farinha de trigo
1 colher de sopa de amido de milho (maisena)
1 colher de café de fermento químico para bolo
2 gemas
1 colher de sopa de açúcar
1/2 colher de sopa de cachaça
1/2 colher de sopa de água
Cerca de 100 g de doce de leite

Glacê
3 colheres de sopa de açúcar de confeiteiro
1 colher de sopa de água quente

Peneire a farinha de trigo, o amido de milho e o fermento dentro de um recipiente, misture. Faça um buraco no centro dos ingredientes secos e coloque as gemas, o açúcar, a cachaça e a água. Vá levando os ingredientes secos para o centro - com colher ou com as mãos - e misture tudo muito bem, até formar uma massa homogênea. Se ficar muito grudenta (como a minha ficou), coloque mais um pouco de farinha de trigo. Cubra com um pano limpo e deixe descansar por 30 min. Após esse tempo, abra a massa em superfície enfarinhada, com rolo também enfarinhado (tudo bastante enfarinhado, pois a massa é grudentinha), e corte círculos de cerca de 5 cm de diâmetro. Os meus foram um pouco menores, pois usei um copinho para cortar. Com as duas mãos, estique cada círculo de massa, fazendo pressão no centro, para que fique ovalado e com o centro mais fino. Coloque os discos em uma assadeira untada com manteiga, fure cada um com um garfo e leve ao forno pré-aquecido a 200° C, até dourar (aqui foram uns 15 min). Depois de assados e frios, coloque uma colherzinha de doce de leite em cima de cada biscoito e alise (usei uma espátula de patê).
Glacê: junte o açúcar e a água e misture até formar uma pastinha.
Montagem: regue cada biscoito coberto de doce de leite com o glacê. Deixe escorrer o excesso e secar, de preferência em uma grade.

Aviso a quem é sensível a cheiro de ovo: mesmo peneirando as gemas, como é muita gema para pouca massa, fica um cheiro de leve. Fiz meia receita, que rendeu pouco. Usei doce de leite argentino, que é mais escuro e encorpado, mas pode usar o doce de leite que quiser, contanto que seja firme.


Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem


-----------------------------------------------------------

A receita original das colaciones foi retirada do livro Cocina Argentina - Tradicional y Creativa (Pía Fendrik, editora V&R). 

segunda-feira, 26 de março de 2012

Bolo de chocolate especial e sorteio


Difícil encontrar alguém que não goste de chocolate - reza a lenda que eles existem -, mais difícil ainda é achar entre os chocólatras quem resista a um bolo de chocolate. Não vamos negar que um bolo de chocolate com recheio e cobertura tem (muito) seu valor, mas às vezes só queremos um bolo sequinho para o café da manhã ou o lanche da tarde, o que mata a vontade de chocolate e ainda nos poupa das trocentas calorias do recheio e da cobertura. O bolo de chocolate especial é simples, porém ganhou um toque que deixa o sabor de chocolate bem intenso e o torna perfeito para acompanhar um xícara de café.


Após a receita, confira também como participar do sorteio de produtos [editado] :-)

Bolo de chocolate especial
(Rende uma forma de bolo inglês)

1 ovo
1/2 colher de sopa de manteiga
3/4 de xícara de açúcar
30 g de chocolate ao leite derretido
1 xícara de farinha de trigo
1/2 xícara de cacau em pó
1 pitada de sal
1/2 xícara de leite
1/2 colher de sopa de fermento químico para bolo

Bata bem - na batedeira ou à mão, como fiz - o ovo, a manteiga e o açúcar, até obter um creme liso. Junte o chocolate derretido (em temperatura ambiente) e misture. Acrescente a farinha de trigo, o cacau, o sal e o leite, e bata até ficar bem homogêneo. Junte o fermento e apenas misture. Coloque em uma forma de bolo inglês untada com manteiga e enfarinhada, e leve ao forno médio-baixo por 25 a 30 minutos. O bolo  fica pouco doce, com sabor intenso de chocolate, e a consistência é macia e compacta, parecida com a dos bolos comprados prontos.

------------------------------------------------------------------

SORTEIO [editado] SORTEIO ENCERRADO

[Editado, trecho retirado] será sorteado através do Twitter e do Facebook um kit contendo 1 pote (200 ml) de palha italiana cremosa e 1 palha italiana individual. Será um sorteio para cada rede social, portanto você terá até duas chances de ganhar! Confira como participar:

No Twitter:
- Siga @dolceteria (AQUI) e dê RT na seguinte frase: Eu sigo @dolceteria e quero ganhar um doce kit palha italiana. Confira o regulamento http://kingo.to/12Dm
- O resultado será através do Sorteie.me.

No Facebook:
- Curta a fanpage (AQUI) e compartilhe o anúncio do sorteio (AQUI)
- Clique em "Quero Participar" (AQUI) nas Promoções da fanpage.

Regras gerais:
- Sorteio válido apenas para endereços no Sudeste (Brasil), devido à viabilidade de entrega.
Você pode participar até o dia 17 de abril. O sorteio será realizado no dia 18 de abril e o resultado será divulgado no mesmo dia. 

- Você pode participar só pelo Twitter ou só pelo Facebook, ou ainda pelos dois (duas chances de ganhar!).
- O resultado do sorteio só será validado se o vencedor atender a todos os requisitos acima. Caso contrário, um novo sorteio será realizado.
- O resultado será divulgado nas redes sociais [editado] do Casa, Coisas e Sabores, e o vencedor terá 48 h para responder. Se não houver resposta, um novo sorteio será realizado.

Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem

sexta-feira, 23 de março de 2012

Novidade e um brigadeiro de vinho


Depois de ter anunciado uma novidade a semana inteira, o "mistério" será revelado e, de lambuja, mostro a receita de um docinho que fará sucesso nas festinhas de adulto. A novidade se chama [editado] e a receita é um brigadeiro de vinho que, apesar de perder o álcool durante o cozimento, mantém o sabor da bebida e lembra o vinho que um dia foi. Se eu estivesse aí do outro lado da tela, curiosa que sou, ficaria seca pela novidade, então comecemos por ela.

[editado, trecho retirado]

Agora, a receita:

Sabe aquela batida que costumam fazer em festinhas que mistura leite condensado e vinho? Como esse aqui é um blog família, vou deixar que as pessoas que não conhecem o nome da bebida procurem no Google. Na hora da bagunça e com as crianças fora da sala, pode dar o mesmo nome ao docinho, sem problemas.

Brigadeiro de vinho

1 lata de leite condensado
1 colher de sopa rasa de manteiga
1 gema (peneirada)
4 colheres de sopa de vinho

Coloque todos os ingredientes na panela e misture. Leve ao fogo baixo, mexendo sempre até o brigadeiro encorpar e, ao raspar o fundo com a colher, soltar do fundo da panela. Deixe esfriar e, com a ajuda de uma colher ou de um saco de confeitar, coloque o brigadeiro de vinho em copinhos. Decore com pedacinhos de canela em pau ou com cravo-da-índia.

Não ficou firme o suficiente para enrolar, mas o brigadeiro fica bem consistente, principalmente depois de levado à geladeira. Não tinha em casa, mas recomendo fortemente colocar uma pitada de pó de gelatina sabor uva ou de pó para refresco sabor uva, a fim de conseguir uma cor mais arroxeada.


Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem

quarta-feira, 21 de março de 2012

Nhoque de abóbora com ragu de carne


Já tinha tentado fazer nhoque outras vezes, mas nenhuma das tentativas obteve o selo "humm, que delícia, demais!" de qualidade. Então parti logo para uma empreitada muito ousada: nhoque não de batata, mas de abóbora, e com uma receita que não leva ovo. Além disso, esse nhoque de abóbora tem um item diferente que deixou o resultado muito leve e macio. A abóbora - deliciosa por si só - deu um sabor marcante e delicado ao nhoque. Para esparramar por cima e coroar, um ragu de carne bem simples, mas muito bem cuidado: a carne é cuidadosamente picada na ponta de faca, um trabalhinho (de leve) que faz diferença.

Sabendo que a receita é da querida Josy, do blog Cozinhando com Josy, fica muito mais fácil se jogar na ousadia. A massa do nhoque é muito fácil de fazer. Confesso que fiquei um pouco na dúvida no ponto da massa, culpa da falta de costume de fazer nhoque. Coloquei farinha até que consegui enrolar, um ponto acima da massa grudenta, pois não queria correr o risco de a massa ficar dura. No final das contas, o resultado foi um nhoque saboroso e macio, como deve ser.

O ragu de carne requer uma dose a mais de paciência do que costumo ter, mas, enquanto o molho cozinhava lento no fogo e perfumava toda a cozinha com cheiro de comida de nonna, eu me divertia enrolando o nhoque. Acho que faltou massinha de modelar na minha infância, eu me divirto muito modelando essas massas :-)

Nhoque de abóbora com ragu de carne
(Rende duas porções bem servidas)

Nhoque
500 g de abóbora
Cerca de 1/2 xícara de farinha
1/2 xícara de amido de milho (maisena)

Ragu
2 bifes pequenos (usei coxão mole)
1 lata de tomate pelado
3 dentes de alho picado
1 colher de sopa de cebola picada
Azeite
Manjericão (seco ou fresco)
Sal

Corte a abóbora em pedaços e tire a casca, e coloque para cozinhar em uma panela de água, até ficar bem macia. Enquanto isso, ao ragu!
Ragu: use uma carne bem macia - filé mignon é ótimo para isso - para picar na ponta de faca. Vá cortando o bife em tirinhas finas no sentido contrário às fibras da carne, depois corte as tiras em cubinhos bem pequenos. Fazer com dois bifes é mole, quero ver com um quilo de carne, rs. Leve a cebola ao fogo com uma boa colherada de azeite até corar um pouco, junte o alho, acrescente a carne picada e frite, para dourar também. Esmigalhe os tomates pelados da lata, com um pilão ou com as mãos mesmo, e coloque os tomates esmigalhados mais o caldo na panela. Tempere com manjericão e sal a gosto e coloque mais uma boa colherada de azeite. Deixe cozinhar em fogo baixo enquanto prepara o nhoque.
Nhoque: amasse a abóbora cozida e junte a farinha de trigo e o amigo, misturando bem. Tive que colocar mais farinha para a massa começar a desgrudar, mas deve ter sido porque a abóbora era daquelas bem aguadas. Devo ter usado 1 xícara de farinha. Em superfície enfarinhada, faça os rolinhos de massa e corte com uma faca lisa. Coloque uma panela de água no fogo e, quando ferver, acrescente sal e coloque as pelotas de nhoque, aos bocados. Quando o nhoque subir à superfície, retire com uma escumadeira e coloque em uma travessa untada com azeite. Não ferva muitas pelotas de nhoque de uma vez, elas devem ficar livres para boiar. Vá regando as camadas de nhoque na travessa com um fio de azeite, para não grudar. Sirva com o ragu de carne por cima e queijo parmesão ralado.

Carne picadinha: pouco assim é mole
 Deveria ter cozinhado a abóbora no micro-ondas (como mostrei AQUI), pois a abóbora que já era aguada ficou mais ainda no cozimento com água. Difícil achar uma abóbora boa, né? Como não sou perita em nhoques, conselhos, dicas e outros são muito bem-vindos aí nos comentários :-)

------------------------------------------------------

Sabe a novidade que prometi contar aqui no blog? Se meu bom Deus ajudar, na sexta-feira eu conto o que é. Por enquanto, só digo que já dá para sentir um cheiro doce no ar...

Aguarde e confie, que é coisa boa :-D



Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem


------------------------------------------------------------

Confira AQUI o nhoque de abóbora da Josy, que ainda foi acompanhado de uma salada de beringela delícia.

terça-feira, 20 de março de 2012

Mais espaço no armário


Se tem pouco espaço na cozinha - ou em outros ambientes da casa - e quer uma dica para aproveitar melhor o espaço dos armários, essa é para você. No meu caso, a culpa foi de um armário do tipo paneleiro que está sendo usado para o que não devia. Guardo mantimentos em um armário desse tipo, que tem compartimentos altos, pois a ideia é poder empilhar panelas. A solução? Uma cestinha de metal que não precisa ser montada, instalada, nada. É só encaixar e aproveitar melhor o espaço do armário.

Como a ideia é de empilhar panelas, os compartimentos do paneleiro são bem altos. Acredite, não é boa ideia sair empilhando latas e vidros para poder aproveitar o espaço superior, não fica nada prático na hora de pegar alguma coisa e ainda há o risco de cair tudo na sua cabeça. Latas na cabeça = traumatismo. Exageros à parte, machuca mesmo.


Essa cestinha é de metal pintado - já vi algumas versões cromadas - e tem duas "alças" que encaixam na parte de cima do armário. Também pode ser colocada em qualquer prateleira, garantindo um espaço a mais para guardar coisas embaixo. Como é de encaixe, acaba se tornando uma cesta deslizante. Em teoria, porque na prática, se você for ficar deslizando a cesta, vai acabar riscando o móvel. Nada que tire sua utilidade, pois a parte da frente é aberta e dá para pegar as coisas sem ficar puxando a cesta.

Onde comprei essa maravilha? Na Avon, no catálogo que tem utilidades domésticas e outras coisas que não são cosméticos. Mas já vi esse e outros tipos de aramados em várias lojas, inclusive nessas grandes mais conhecidas. No geral, os aramados são ótimas soluções para muitos problemas de espaço, fica a dica :-)

---------------------------------------------------------

Vou contar uma novidade aqui no blog em breve, muito em breve (se tudo der certo, ainda nesta semana). Todo mundo ligado que a Páscoa já é no dia 8 de abril? Por enquanto, só digo que já dá para sentir um cheiro doce no ar...

Aguarde e confie, que é coisa boa :-D



Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem


----------------------------------------------------------

Achei uma loja virtual só de aramados, módulos etc, com vários produtos do tipo (AQUI). Ressalto que nunca fiz compras nesse site, mas fiquei interessada, rs.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Novidade no ar...


Vou contar uma novidade aqui no blog em breve, muito em breve (se tudo der certo, ainda nesta semana). Todo mundo ligado que a Páscoa já é no dia 8 de abril? Por enquanto, só digo que já dá para sentir um cheiro doce no ar...

Aguarde e confie, que é coisa boa :-D


Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem

sexta-feira, 16 de março de 2012

Bolo gelado de banana com coco


Você, criança dos anos 1980 (e 1990, vai), vai deixar rolar uma lágrima no canto do olho. Você, mamãe de criança dos anos 1980, vai lembrar da trabalheira toda e da alegria de ver seu rebento feliz. Sabe aqueles dias em que a nostalgia toma conta? Não resisti em fazer minha própria versão de bolo gelado, embrulhado no papel alumínio e tudo. Não consegui uma caixa-bolo de isopor para colocar dentro, mas usei a receita dos cupcakes de banana com coco, regada com uma calda indecente à base de doce de leite, para matar a vontade. Assim, desembrulho e vou comendo o bolo molhadinho aos bocados, matando a saudade todo dia.

Só de falar, cai uma lagriminha: há tempos estava seca por um bolo gelado, daqueles molhadinhos que nossa mãe fazia nas festinhas, cortava em quadradinhos, embrulhava no papel alumínio e colocava na caixa de bolo de isopor, toda decorada. Na era pré-papel de arroz e pré-pasta americana, era assim que o negócio funcionava. E funcionava. Diz se não é prático ter os bolos todos cortados e embrulhados, para depois dos parabéns distribuir comodamente à molecada?


A massa do cupcake de banana com coco já é macia e molhadinha por si só. Fora que já tem um sabor incrível, dos melhores bolos de banana que já comi. E olha que já comi muitos (confira AQUI quantos de banana entre os bolos do blog). Mas bolo gelado precisa ser regado com uma caldinha, para ficar...hummm, molhadinho. Desse jeito, juntaram-se a banana, o coco e o doce de leite. Tinha como ficar ruim? Tinha não, seria comido de qualquer jeito.

Bolo gelado de banana com coco
(Rende uns 15 quadradinhos pequenos)

Bolo
1 receita do cupcake de banana com coco (AQUI)

Calda
1 xícara de leite
1 colher de sopa cheia de doce de leite

Bolo: prepare o bolo conforme a receita indicada e leve a massa para assar em uma assadeira ou travessa. Usei uma travessa de cerâmica com 23 cm de comprimento. Depois de pronto, tire o bolo do forno e corte os quadradinhos (sem retirá-los do lugar).
Calda: leve o leite com o doce de leite ao fogo baixo, mexendo até o doce de leite dissolver.
Montagem: fure o bolo com um garfo e regue-o com a calda de doce de leite, derramando o líquido bem devagar sobre todo o bolo. Nesse processo, tanto bolo quando calda devem estar quentes. Deixe esfriar e, depois de frio, separe os quadradinhos, embrulhe-os um a um em papel alumínio e mantenha-os na geladeira.


O sabor de doce de leite fica bem sutil, pois o bolo já é doce o suficiente e resolvi moderar no doce de leite. Fiquei com medo de castigar no açúcar. Mas fica a gosto aumentar a quantidade de doce de leite, já que o gelado acaba atenuando o doce.
--------------------------------------------------------------

Sei que muita gente que passa por aqui acaba se inspirando com as receitas e ideias, guardando algumas e reproduzindo outras. Saber disso já e maravilhoso, ver alguém colocando a mão na massa é melhor ainda!

A Maria João gostou tanto da ideia de servir salada na cumbuca de massa (AQUI) que foi fazer a dela. E o lindo resultado - uma terrina, que é mais chique que cumbuca - está no blog Clavel's Cook. A Maria aproveitou uma massa de pizza que tinha congelada e conseguiu uma bela apresentação para sua salada.
Foto: Maria João Clavel - Blog Clavel's Cook
Confira AQUI a salada na cumbuca de massa da Maria João e não deixe de passear por seu  lindo blog.

Você também já fez alguma receita do Casa, Coisas e Sabores? Conta pra mim! Vou ficar toda boba e ela pode aparecer aqui no blog :-)

E-mail: casacoisasesabores@gmail.com
Facebook: http://www.facebook.com/casacoisasesabores
Twitter: @Casa_Sabores

Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem

quinta-feira, 15 de março de 2012

Blogagem coletiva: encantamento e um rocambole de chocolate fácil


Como diz um famoso bloco de Carnaval aqui do Rio de Janeiro, simpatia é quase amor e - acrescento - o encantamento é o primeiro passo. Nesta primeira fase da Blogagem Coletiva Amor aos Pedaços (BCAP), organizada pelas mesmas responsáveis da Blogagem Coletiva Fases da Vida, foi proposto esmiuçar o amor, pedaço a pedaço, começando pelo Encantamento. Para não fugir da cozinha, conto do meu amor às panelas e como tudo começou, através da reprodução de uma das primeiras receitas que eu lembro de ter feito: o rocambole de chocolate fácil. Engraçado ver como tudo se transforma, mesmo sem planejar, acabou saindo uma releitura. O amor é assim, é humano e muda, se transforma, cresce...

Vi a receita do rocambole de chocolate fácil na TV e corri para anotar, pois, criança que era, achei maravilhosa aquela preparação que não ia ao fogo/forno nem nada. Era receita indicada para crianças e, criança que eu era, copiei em detalhes em uma folha de caderno e coloquei na gaveta da cozinha. Sim, estávamos na era pré-internética (sou velha?).

Se não me engano, a receita era o dobro dessa, levava duas latas de leite condensado. Minha mãe não gostou muito da ideia, o rocambole era bem "gordo" e saía meio caro - era época de inflação alta no Brasil e, acredite, ir ao supermercado não era festa. Mas eu estava encantada com a chance de fazer uma receita toda sozinha, bati pé e mamis cedeu. Minha irmã caçula ficou por ali, mais preocupada em lamber as vasilhas. Ficou certinho e gostoso. Eu, toda boba. Minha mãe, sob meus protestos, jogou a receita anotada fora, para não correr o risco de eu querer fazer de novo.


Com a internet facilitando tudo, consegui achar a receita que - se a memória não me falhou - é a mesma que fiz naquela época. Refazendo a receita, revivi o mesmo encantamento daquela época e percebi como é importante você lembrar os motivos do começo do amor. Adulta, entendi porque minha mãe jogou a receita fora, vou fazer o mesmo.

Rocambole de chocolate fácil

Massa
1/2 lata de leite condensado
10 colheres de sopa de leite em pó
6 colheres de sopa de chocolate em pó
1 colher de sopa de manteiga (em temperatura ambiente)

Recheio
1/4 de lata de leite condensado
2 colheres de sopa de coco ralado
2 barrinhas de cereal esmigalhadas (usei de castanha e nozes, sem chocolate)
1 colher de sopa de manteiga (em temperatura ambiente)

Massa: em um recipiente, misture o leite em pó, o chocolate e a manteiga. Acrescente o leite condensado aos poucos, formando uma massa consistente (pode ser que se use menos leite condensado). Coloque em um saco plástico de culinária e leve à geladeira enquanto prepara o recheio.
Recheio: em um recipiente, misture todos os ingredientes.
Montagem: abra a massa entre dois plásticos (usei um saco de culinária aberto). Pode abrir até com as mãos, mas, como estava muito quente, usei o rolo para a massa não "derreter". Espalhe o recheio sobre a massa aberta e enrole como um rocambole, com a ajuda do próprio saco plástico aberto. Leve à geladeira e espere pelo menos 30 min até servir. Conserve na geladeira.

Não vou enganar ninguém: o rocambole é melequento e doce de doer. Delícia (mas já joguei a receita fora). Estava tão quente na hora que fiz que era só tirar da geladeira e a massa ficava molenga, foi dureza de enrolar. Da série aprender com os erros (seus ou dos outros): achei que tinha todos os ingredientes e, na hora do "vamovê", estava faltando. O chocolate em pó estava quase acabando e o coco do recheio, só no fundinho do saco. Improvisei o recheio acrescentando o cereal, mas era para ter só coco ralado. Ainda bem, com cereal ficou muito bom.

Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem

--------------------------------------------------------------

A receita original, que me encheu de alegria quando encontrei, é ESSA.

Para conferir as outras participações da BCAP, visite os blogs Publicar para Partilhar, Luz de Luma ou Espiritual-idade.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Clafoutis de cereja


Todos cantam seu clafoutis, também vou cantar o meu. Parafraseando toscamente o poeta Casimiro de Abreu, depois de tanto ver clafoutis de cereja por aí resolvi experimentar a receita, francesa - oui! -, por sinal. Aproveitei algumas cerejas que tinha congelado há algum tempo, encontradas frescas por um bom preço e que esperavam por um destino. O congelamento só postergou o que já sabia: elas virariam clafoutis! Essa é uma receita clássica com cerejas e que me surpreendeu de tão fácil. Cumprida a etapa de encontrar cerejas frescas - talvez o mais difícil disso tudo, dependendo da região do Brasil -, o resto é moleza.

O clafoutis de cereja, que fica entre um bolo e uma torta, pode ser servido quente ou frio. Por experiência própria, e por força do calor, gostei mais geladinho. A massa fica bem úmida, em uma consistência parecida com o pudim de padaria ou bolo mole.

Clafoutis de cereja
(Rende quatro porções bem servidas)

2 xícaras de cerejas (usei congeladas, com caroço)
3/4 de xícara de farinha de trigo
4 colheres de sopa de açúcar
1 pitada de sal
2 colheres de sopa de manteiga derretida
2 ovos
1/2 xícara de leite

Misture a farinha de trigo, o açúcar e o sal. Acrescente os ovos e bata bem. Junte a manteiga e bata novamente. Acrescente o leite e misture. A massa fica bem líquida e deve sair lisa. Unte uma travessa com bastante manteiga (usei uma redonda com uns 22 cm de diâmetro), acomode as cerejas no fundo e despeje a massa por cima. Leve ao forno (pré-aquecido) a 200º C por cerca de 40 min.


Apesar de ter batido a massa à mão, achei que o resultado poderia ter ficado melhor, mais aerado, se tivesse usado a batedeira, por isso recomendo usar o aparelho. As cerejas podem ser usadas com caroço e tudo. Na hora de comer, eles não incomodam nada: a cereja fica cozida e o caroço, pequeno, solto lá dentro, sai na primeira mordida. Com a mesma massa do clafoutis, você pode variar e usar outras frutas, como morango, amora, ameixa fresca, uva etc.

Já que avacalhei a poesia do Casimiro de Abreu, nada mais justo que uma homenagem:

Minha Terra - Casimiro de Abreu

Todos cantam sua terra,
Também vou cantar a minha,
Nas débeis cordas da lira
Hei de fazê-la rainha;

[...]
Continue lendo AQUI.

 Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem


--------------------------------------------------------------

A receita acima foi livremente inspirada (a poesia tomou conta de mim) no clafoutis de cereja do blog Chucrute com Salsicha (AQUI).

segunda-feira, 12 de março de 2012

Salada grega na cumbuca de massa


O verão está com os dias contados, mas o calor parece que não. Nesses dias em que nada que seja sólido apetece, as saladas são uma solução saudável, prática, refrescante e deliciosa. Adoro salada, porém você já sabe que só folhinhas no almoço/jantar não me sustentam. Então, que tal fazer uma salada bem leve e saborosa, como a salada grega, e colocar em um recipiente que também pode ser comido? A salada grega vai na cumbuca de massa, que garante o carboidrato da refeição e tapa aquele "buraco" no estômago. Atendendo ao chamado do Blogs de Culinária, a salada grega na cumbuca de massa é uma das várias receitas de saladas que estão reunidas por lá. Verão, se você durasse para sempre seria lindo...

A salada grega é leve e refrescante até dizer chega. Bem temperada e fresca, é o próprio sabor do Mediterrâneo. Dizem que a original não leva tudo isso não, e já comi salada grega até com frutas. Vamos combinar: mantendo a base, a salada é sua e você monta com o que mais gostar. As quantidades são livres, coloque o quanto tiver ou de acordo com quantos vão comer. Lembra a massa de pizza que ensinei aqui no blog? Então, é ela mesma que vai acomodar a salada. O azeite não pode faltar, nunca.

Salada grega na cumbuca de massa

Para a cumbuca (rende duas)
1/2 receita de massa para pizza (AQUI)

Para a salada

Alface (usei a roxa)
Rúcula
Queijo minas em cubos
Tomate cereja cortado ao meio
Pepino em rodelas
Pimentão amarelo em rodelas
Cebola roxa em rodelas
Azeitonas pretas
Alcaparras
Sal, pimenta do reino, orégano e azeite

Cumbuca: faça a massa de pizza conforme as instruções da receita original. Depois do descanso, separe a massa em duas bolas, abra em dois discos - com as mãos ou com o rolo -, enfarinhe e coloque os discos nas "costas" de dois recipientes em formato de cumbuca que possam ir ao forno. Usei duas xícaras jumbo de cerâmica, que precisam ser untadas com óleo antes de receber a massa. Coloque os recipientes com a massa em uma assadeira e leve ao forno médio-alto por cerca de 15 minutos.


Salada: misture todos os ingredientes e tempere com sal e bastante pimenta do reino, orégano e azeite. Misture bem - você pode fazer isso com colheres para salada ou com as mãos.
Montagem: regue as cumbucas de massa já frias com um fio de azeite e acomode porções da salada grega dentro delas. Sirva imediatamente.

Atualização: esqueci de dizer, a receita pede sal, mas eu nunca o coloco nas saladas. Quando há outros temperos e a salada fica bem temperada - como é o caso -, o sal é dispensável. Aliás, prefira as ervas ao sal para temperar suas saladas :-)

Desta vez, usei fermento biológico seco para fazer a massa de pizza (para a quantidade indicada, foi 1/4 do pacotinho). Achei que não ficou a mesma coisa da massa com fermento fresco, mas não sei se foi por causa disso. Fiz a massa de pizza caseira para a cumbuca da salada, mas tenho forte desconfiança de que uma massa de pizza pronta faz o mesmo efeito. Como a massa de pizza pronta é pré-assada - mais firme -, eu borrifaria um pouco de água (coisa pouca) e colocaria dentro do recipiente para levar ao forno. Já se você comprar massa de pastel fresca - em discos - poderá acomodá-la em forminhas de empada e servir em charmosas miniporções.

>> Veja AQUI todas as receitas de saladas dos blogs de culinária.


Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem


------------------------------------------------

Sobre a salada grega, veja AQUI.

Saiba AQUI a equivalência entre fermento biológico fresco e seco.

Para ficar craque nas saladas, recomendo dois livros sobre o tema que fazem parte de coleções que adoro: 500 Saladas (AQUI), que é receita à beça, e 200 Receitas de Saladas Nutritivas (AQUI). Ambas as obras têm um formato superprático e fotos lindas.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Aniversário de 2 anos e livro de receitas



O aniversário de 2 anos do Casa, Coisas e Sabores foi ontem - sim, foi por acaso, mas a primeira postagem do blog saiu em um 8 de março, Dia Internacional da Mulher -, porém hoje é que a gente comemora!

Desde o primeiro aniversário, o blog teve transformações no visual, inaugurou suas contas no Twitter e no Facebook, as postagens ficaram mais frequentes e eu estou cozinhando melhor do que antes (mas pior do que amanhã, uahahaha - risada de bruxa). Espero que as mudanças aqui tenham inspirado mudanças em você também, que você saiba um pouco mais de macetes domésticos e esteja cozinhando melhor do que antes (mas pior do que amanhã, uahahaha - risada de bruxa).

Mais pessoas nos seguem, mais pessoas nos visitam, mais pessoas comentam e interagem, e esse retorno é o que tem de melhor nessa coisa toda :-) Trocando ideias, visitando outros blogs, pesquisando por conta das postagens, cada dia aprendo mais e o blog me proporciona tudo isso. Você me proporciona tudo isso, porque isso aqui é para você. Obrigada!

Tudo muito bom, tudo muito bem, mas...cadê presente, né? Como considero que todo mundo que acompanha ou passa por aqui é a alma do blog, todo mundo está fazendo aniversário e todo mundo ganha presente, oras! É só clicar na figura abaixo para ter acesso ao exclusivo - feito com muito (muito) suor e muito carinho - livro de receitas do blog. O e-book Receitas Práticas do blog Casa, Coisas e Sabores é uma seleção das melhores receitas facinhas daqui. Você pode consultar digitalmente no computador ou no tablet, ou pode imprimir e recortar as fichas das receitas - mas isso é muito antigo (rs). O arquivo está em PDF.


Ou acesse o e-book pelo link: http://www.4shared.com/office/1tQRYERA/PDF_e-book_Casa_Coisas_e_Sabor.html?

Aproveito a ocasião para dizer que o Google Friends Connect (o quadro de seguidores) foi descontinuado. Apesar de aparecer em alguns blogs e ter sumido em outros, há rumores de que ficaremos sem essa forma de contato. Por isso, para continuar por dentro das novidades daqui e ainda ter acesso a outros conteúdos, indico abaixo o Twitter e o Facebook do blog:

CASA, COISAS E SABORES NO TWITTER


Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem

quarta-feira, 7 de março de 2012

Bobotie (torta de carne sul-africana)


Alguma vez você já pensou em deixar sua carne moída com um toque agridoce? Até então, eu nunca. Confesso que fiz a receita da (do?) bobotie - uma torta de carne bem temperada típica da África do Sul - com um certo medinho, pensando que as chances de dar errado eram consideráveis. Ainda bem que a curiosidade e a vontade de usar a carne moída de um jeito diferente falaram mais alto. Surpreendente é a palavra que melhor descreve a bobotie. Cheia de temperos e sabor, com um pé na Indonésia e, segundo o cozinheiro de Nelson Mandela, o prato preferido do ex-presidente sul-africano.




Basicamente, a receita é misturar tudo e finalizar com uma cobertura à base de ovos. À primeira vista, pode parecer que os ingredientes não combinam nada com carne moída, mas o resultado é delicioso. Meu termômetro para as receitas é o marido, porque eu...putz, eu como qualquer coisa! Ele é mais enjoado seletivo - embora, justiça seja feita, já perdeu muitos preconceitos com comida e experimenta tudo que eu faço com a mente aberta. Marido disse que a bobotie é uma das melhores coisas que ele já comeu. Sem mais!

Bobotie (torta de carne sul-africana)
(Rende quatro porções)

2/3 de xícara de leite
1 pão pequeno (usei o suíço)
3 colheres de sopa de cebola picada
1 colher de sopa de manteiga
500 g de carne moída
3 metades de nozes picadas
1 colher de sopa de uvas-passas (usei a branca)
4 damascos secos picados
1/2 colher de sopa de curry
1/2 colher de sopa de cúrcuma
Suco de 1/2 limão
4 folhas de louro
1 ovo
Sal e pimenta do reino

Corte o pão em pedaços (com as mãos mesmo) e deixe-o de molho em metade do leite. Em uma frigideira ao fogo, refogue a cebola na manteiga até que ela fique bem douradinha. Essa é a hora de ligar o forno em temperatura média*. Em um recipiente, coloque a carne moída e junte o refogado de cebola (com tudo), as nozes, as uvas-passas, o damasco, o curry, a cúrcuma, o suco de limão e o pão que tinha ficado de molho. Misture tudo muito bem e o melhor jeito de fazer isso é com as mãos. Unte uma travessa com manteiga e disponha as folhas de louro no fundo. Acomode a mistura de carne por cima, apertando bem e alisando a superfície. Misture o que restou do leite com o ovo, sal e pimenta, batendo bem com um garfo, e derrame sobre a carne. Leve ao forno por 35 a 45 minutos. Depois de pronta, decore com folhas de louro.

*A receita recomendava forno a 170º C. Deixei a 205º C (minha temperatura média-baixa), pois meu forno é fraco, mas vi que as coisas estavam demorando a acontecer e aumentei para a temperatura média. Precisa cozinhar a carne - portanto, não pode ser muito quente -, mas também precisa cozinhar a cobertura de ovos, o que é mais demorado.


Fiz meia receita e tive que pesquisar sobre os ovos, pois a receita original esquece de citar a quantidade. Para uma receita inteira (1 kg de carne), utilize dois ovos. A receita original sugere acompanhar a bobotie com arroz, coco ralado e nozes picadas. Pedia também 1/2 cebola grande em fatias finas (no caso da meia receita), mas, devido a minha "paixão" por cebola, coloquei bem menos e piquei bem pequeno. Não sei se entendi bem ao colocar as folhas de louro no fundo da travessa, mas, enfim, ficou bom.

A receita original também pedia amêndoas, mas, como não tinha (mentira, tinha, mas está com casca e fiquei com preguiça), utilizei as nozes no lugar. Vi na internet algumas variações da receita, inclusive usando leite de coco e geleia de morango. Há registros da receita no século XVII, então imagino o tempo de sobra para terem sido criadas trocentas variações. Para o sabor doce da bobotie, pode ser utilizada a banana, que certamente será minha escolha para uma próxima vez.


Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem


------------------------------------------------------

A receita original é ESSA.

Saiba mais sobre a bobotie (em inglês) AQUI.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Receita curinga: bolo simples (e um bolo formigueiro)


Acho que quase todo mundo tem uma receita de bolo simples, ou básica, que serve não apenas para preparar o "bolo de bolo" - era assim que a gente chama lá em casa quando não se adiciona nenhum sabor além dos ingredientes da massa -, mas também para servir de base a bolos de todos os sabores possíveis e imagináveis. A seguir, compartilho a minha receita de bolo simples, que na verdade é a receita de bolo da minha mãe que eu, claro, mantenho na porta da geladeira para emergências "bolísticas". Mostrando que a receita é versátil, transformei a massa em um bolo formigueiro, só para dar um gostinho de infância.

Esse é o tipo de receita que não se sabe de onde veio, minha mãe já faz assim há tantos anos que provavelmente já tem muito do dedo dela na receita. A massa desse bolo simples leva pouquíssimos ovos - olha aí o dedo de mamis - e pouca manteiga. Cresce que é uma beleza, fica bem fofo e sequinho, ótimo para acompanhar uma xícara de café ou chá. Como é econômico no açúcar, recebe bem uma caldinha ou colheradas de doce/geleia. As quantidades abaixo são para um bolo pequeno (forma de pudim ou de bolo inglês). Para usar a forma de bolo padrão com furo central, dobre a receita.

Bolo simples
(Rende um bolo pequeno)

1 ovo
1 e 1/2 colher de sopa de manteiga
1 xícara de açúcar
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo
1/2 xícara de leite
1/2 colher de sopa de fermento químico em pó para bolos
Para o bolo formigueiro: 2 colheres de sopa de chocolate granulado

Na batedeira ou à mão (como fiz), bata bem o ovo, a manteiga e o açúcar, até formar um creme liso e homogêneo. Acrescente a farinha de trigo, bata, e junte o leite, batendo até ficar homogêneo. Coloque o fermento e apenas misture. Para o bolo formigueiro: neste momento, coloque o chocolate granulado e misture (usei um granulado pequeno, em bolinhas). Coloque em forma untada e enfarinhada e leve a forno pré-aquecido, temperatura média-baixa por 25 a 30 min.

Com a receita básica, você pode fazer alterações para outros sabores de bolo: o leite pode ser substituído totalmente ou em parte por sucos de frutas ou leite de coco, podem ser acrescentados raspas de laranja ou limão, baunilha, castanhas, coco ralado, gotas de chocolate etc.



Dicas para o preparo de bolos

- Não economize a batedeira ou o braço na hora de bater os ovos (primeira etapa), esse é o momento em que você deve bater bem, muito e sempre. Nas etapas seguintes, só precisa bater para misturar mesmo.
- Se quiser, pode peneirar a farinha de trigo para o bolo ficar mais fofo. Quase nunca faço, por questão de preguiça praticidade. Também pode bater as claras dos ovos usados em neve e agregar à massa, no final, para ficar mais fofo.
- Para que o bolo fique sequinho e fofo, no final de tudo a massa deve ficar firme, bem mais consistente que massa de panqueca. O ponto é quando você consegue pegar porções de massa às colheradas, sabe?
- O fermento é um capítulo à parte. Para bolos, usa-se o fermento químico em pó (o fermento biológico - fresco, em tabletes, ou seco, em sachês - é para pão). É fundamental que o fermento esteja "funcionando", senão o bolo não cresce mesmo. Coloque um pouco do fermento em um copo de água limpa, se o pó ferver, o fermento está bom para o uso. Guarde o fermento bem fechado e fora da geladeira (é o que o fabricante recomenda), em local fresco e seco. Na hora de colocar o fermento no bolo, não bata, apenas misture com a colher até o fermento ficar agregado à massa.
- Preparando a forma: geralmente se pede para untar e enfarinhar. Untar é espalhar gordura - geralmente manteiga - na forma. Use os dedos ou um pincel para isso. O papel toalha é prático, mas acaba "limpando" a manteiga e você precisa usar mais gordura. Enfarinhar é polvilhar farinha - geralmente farinha de trigo - sobre a camada de gordura. Vá salpicando a farinha por toda a forma, balançando e virando, para que nenhum cantinho fique sem. Depois do contorcionismo, vire a forma sobre a pia e dê uma palmada no fundo para derramar o excesso de pó.
- O bolo deve entrar no forno pré-aquecido, acenda-o uns 10 min antes de colocar o bolo dentro, na mesma temperatura em que vai assar a massa.
- Antes de começar a bater o bolo, 1. separe todos os ingredientes e deixe em sua bancada, 2. unte e enfarinhe a forma, 3.acenda o forno para pré-aquecer, 4. aí sim, bata a massa do bolo.
- Uma vez no forno, resista à tentação de abrir a porta para dar uma olhadinha. Nunca abra antes de 20 minutos de forno (bolo tamanho padrão), sob o risco de seu bolo murchar.
- Para saber se está assado (nunca antes de 20 min), faça o teste do palito: espete um palito de dente bem no centro do bolo, se o palito sair seco, está bom.
- A temperatura do forno é um tema esotérico. Em qual temperatura se assa um bolo? Depende do seu forno, pois cada um se comporta de um jeito. Meu forno tem cinco temperaturas e eu costumo assar no médio-baixo. Conheça seu forno, converse com ele, faça muito bolos sem medo: só assim você saberá a temperatura certa. Ah, bolo gosta de um calorzinho, nada de forno morno.
- Costumo retirar o bolo assim que desligo o forno. Se estiver assado, não acontece nada. Só vai murchar se não estiver bem assado (ou por outros motivos sobrenaturais que fogem da alçada terrena).


Se você gostou dessa postagem e achou o conteúdo relevante - portanto, que pode ser aproveitado por outras pessoas que estejam procurando sobre esse assunto -, mostre sua recomendação clicando no botão igual a este   localizado no final da postagem


-----------------------------------------------------------

Para saber mais sobre bolos, tenho e recomendo o livro Bolos - Preparo e Confeito (AQUI). A obra conta um pouco da trajetória da boleira Rosely Bonfante, traz receitas e dicas preciosas sobre o preparo de bolos, da massa à confeitaria.

Gerar PDF da postagem

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...